Um Estudo do panorama geral na religiosidade gaúcha

    O Rio Grande do Sul ficou conhecido como o Estado dos Extremos no que diz respeito a religiosidade do povo gaúcho. Esta informação ficou notória a partir do censo religioso realizado pelo IBGE em 2010, publicado em 2012 e veículado pelo site www.mai.org.br.  Basta uma simples olhada nas informaçãoes abaixo para chegarmos a tal conclusão. 

 

Devemos lembrar também que a metodologia aplicada pela IBGE não está em números 

totais, plenos e sim baseados em porcentagem  e esta, subjugada ao número de população. 

 

Vejamos:

1. Das 11 cidades com o menor número de evangélicos do Brasil, 9 são gaúchas.

 

2. O Rio Grande do Sul é o maior estado brasileiro de umbanda e candomblé.

 

3. O Rio Grande do Sul é o terceiro maior Estado espírita do Brasil.

 

4. Porto Alegre está em último lugar (27ª) em número de evangélicos com 11,70%, 

enquanto Rio Branco está em 1ª com 39,80%.

 

5. O maior município católico do Brasil é gaúcho (União da Serra com 99,15%). 

 

6. O RS tem as cinco maiores cidades católicas do Brasil (1ª União da Serra - 99,18%/ 2ª Relvado - 98,84%/ 3ª Carlos Gomes-98,74%/4ª Vespasiano Correia-98,68%/ 5ª Itapuca-98,59%).

 

7. Dos 10 municípios mais evangélicos do Brasil 6 são gaúchos (Arroio do Padre-85,80%, Westfalia-79,10%, , Linha Nova-71,60%,  XV de Novembro-68,60%,  Senador Salgado Filho-67.90% e  Coronel Barros-62,60%).

 

8. O maior município de candomblé do Brasil é o Cidreira no RS com 5,86%.

 

9. Das 15 cidades com o maior número em porcentagem de seguidores da Umbanda e Candomblé do Brasil, 14 são gaúchas (1ª Cidreira-5,86%, 2ª Viamão-5,26%, 3ª Alvorada-4,08%, 4ª Bagé 3,94%, 5ª Rio Grande-3,93%, 6ª Pelotas 3,38%, 7ª Porto Alegre-3,36%, 8ª Sant'Ana do Livramento-3,32%, 9ª Pedro Osório-3,13%, 10ª Barra do Ribeiro-3,07%, 11ª Guaíba-3,0%, 12ª Piratini-2,9%, 13ª Charqueadas-2,87% e Balneário do Pinhal-2,79%).

 

10. A maior capital do Brasil em número de judeus é Porto Alegre.

 

11. A maior cidade mulçumana do Brasil é Chuí/RS com 3,77%.

 

12. Das 5 cidades mais mulçumanas do Brasil, 3 são gaúchas (1ª Chuí-3,77%, 3ª Barra do Quaraí-1,26%, 4ª Aceguá-0,62%). Se observarmos as 10 cidades mais islâmica do Brasil, 6 vão ser gaúchas. 

 

13. O Maior município Mórmons do Brasil fica em Quaraí/RS com 3,52%.

 

14. Das 5 cidades mais mórmons do Brasil, 3 são gaúchas (1ª Quaraí-3,52%, 4ª Santiago-1,17% e 5ª Sant' Ana do Livramento-1,04%).

 

15. 5,9% da população gaúcha se declara ateus, agnósticos ou sem religião.

 

17. 54,24% dos gaúchos que vivem em Chuí/RS se declaram ateus,agnósticos ou sem religião.

 

18. A religião que mais cresceu no Rio Grande do Sul foi o espiritísmo. Passaram de 1,8% em 2000 para 3,2% em 2010.

 

19. Das 50 cidades mais católicas  do Brasil, 28 são gaúchas.

 

20. Das 20 cidades mais católicas do Brasil, 18 são gaúchas (União da Serra 99,15%; 

Relvado 98,78%; Vespasiano Correa 98,72%; Carlos Gomes 98,70%; Itapuca 98,67%; 

Dois lajeados 98,49%; Salvador das Missões 98,23%; Centenário 98,22%; Fagundes Varela  98,20%; Coronel Pilar 98,16%; Montauri 98,10%; São Jorge 98,06%; Nova Pádua 97,99%; Barra do Rio Azul 97,90; São valentim do Sul 97,76%; Protásio Alves 97,74%; Guabiju 97,71% e Progresso 97,58%.

 

21. As 5 cidades mais católicos do Brasil, todas são gaúchas.

 

22. O município mais evangélico do Brasil também é gaúcho, Westfalia.

 

23. Das 71 cidades do Brasil com menos de 3% de evangélicos, 28 delas são cidades 

gaúchas: (Coronel Pilar 0,42%; Montauri 0,60%; União da Serra 0,80%; Dois Lajeados 

0,90%; Relvado 1%; Nova Pádua 1,1%; Vespasiano Correa 1,2%; Carlos Gomes 1,2%; São Jorge 1,3%; Itapuca 1,4%; Salvador das Missões 1,4%; São Valentin do Sul 1,5%; Barra do Rio Azul 1,5%; Centenário 1,5%; Fagundes Varela 1,8%; Monte Belo do Sul 2,1%; Protásio Alves 2,1%; Nova Alvorada 2,2% Progresso 2,3%; Nova Bréscia 2,4%; Guabiju 2,4%; Putinga 2,5%; Casca 2,5%; Santo Antonio do Palma 2,6%; Rondinha 2,7%; Cotiporã 2,8%; Boa Vista do Sul 3,0% e São João da Urtiga 3,0% .

 

24. As únicas 5 cidades com menos de 1% de evangélicos do Brasil, todas elas são 

gaúchas: (Coronel Pilar 0,42%; Montauri 0,60%; União da Serra 0,80%; Dois Lajeados 

0,90%; Relvado 1%).

 

25. Das 18 cidades com menos de 2% de evangélicos do Brasil, 10 são gaúchas; 2 no PI; 2 na PB; 2 em AL; 1 em MG e 1 em SC.

 

26. Das 48 cidades com menos de 3% de evangélicos do Brasil, 14 são gaúchas; 9 em MG; 8 no PI; 5 em RN; 4 na PB; 3 em SC; 2 em SE; 2 no CE; 1 em PE.

 

27. Entre os 10 municípios MENOS católico do Brasil, 4 são gaúchos.

 

28. Dos 50 municípios mais evangélicos de Missão do Brasil, 31 são no RS. A maioria fundado pelos Luteranos.

 

29. O RS está entre os três Estados com menos pentecostais e tem alguns dos municípios onde eles menos penetraram.

 

30. Entre os 10 municípios mais pentecostais do Brasil, há um gaúcho: Lajeado do Bugre. A cidade tem 38,5% de pentecostais.

 

31. Das 20 cidades com as maiores taxas de suicídio do Brasil, 11 são gaúchas

 

32. Entre o censo de 2000 a 2010, tivemos 316 municípios em que a porcentagem de evangélicos diminuiu, destes 96 foram gaúchos.

 

33. O Rio Grande do Sul continua sendo o Estado de menor crescimento de evangélicos do Brasil.; Crescimento abaixo dos 3%, enquanto Acre, Ceará e Roraima foram os Estados onde os evangélicos mais cresceram, ou seja, acima de 7%.

 

34. O bloco de cidades menos evangelizadas, com as menores taxas de porcentagem e de fator numérico de evangélicos e de Igrejas do Brasil fica no Rio Grande do Sul no que chamamos de Janela 28x53 que compreende um bloco de 29 cidades gaúchas. Localiza-se na Região Centro-nordeste do Estado, conhecido como Norte da Serra Gaúcha.

 

35. O bloco de cidades com o maior número de porcentagem de umbanda, candomblé, mórmons, ateus e muçulmanas do Brasil fica também no Rio Grande do Sul no que chamamos de corredor 30X40 que compreende um bloco de 17 cidades gaúchas. Localiza-se na região da fronteira e região da capital do Estado gaúcho. Por esses motivos o Rio Grande do Sul é considerado o Estado das contradições religiosas.  Sobretudo é um Estado abençoado por Deus e que carece em muito de atenção evangelística por parte das Igrejas de Cristo espalhada no Brasil, sobretudo as Igrejas gaúchas

 

Uma dor que ninguém vê

Rio Grande do Sul é campeão de uma tragédia que nenhum estado quer comemorar

Em 17 anos, foram 19.295 pessoas mortas. É como se a população inteira de um município da serra gaúcha desaparecesse. São Francisco de Paula tem 20.224 habitantes. O DataSus (Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde) confirma: são 10,2 casos de suicídio a cada 100 mil habitantes. Este índice coloca o RS no topo do ranking nacional para mortes deste tipo. Em seguida vem Roraima, com 8,3 e Mato Grosso do Sul, com 8,1.

O estado que tem o menor índice é o Rio de Janeiro, uma média de 2,4 mortes para cada 100 mil habitantes. Os números não são de hoje e vem aumentando. De acordo com Ricardo Nogueira, psiquiatra do Hospital Mãe de Deus que pesquisa ansiedade, depressão e prevenção ao suicídio, os maiores índices de casos suicidas acontecem na região nordeste do estado.

De acordo com o Mapa da Violência, o RS ainda tem 11 das 20 cidades brasileiras que mais tiveram casos. Três Passos (2º), Três de Maio (5º), Nova Prata (6º), Santa Cruz do Sul (11º), Tupanciretã (11º), Santiago (12º), Canguçu (13º), Lajeado (14º), Venâncio Aires (15º), Encruzilhada do Sul (18º) e Osório (19º).

Os municípios com maior incidência de suicídio no estado são de colonização alemã. Por isso, a ascendência é um fator considerado pela Associação de Psiquiatria do Rio Grande do Sul (APRS). No entanto, o coordenador do departamento de psiquiatria no estado, Marco Antonio Caldieraro, diz que isso não é determinante: “A gente tenta não valorizar muito essa questão porque se você está atendendo um paciente de uma etnia que tem menos incidência em suicídio não quer dizer que é um motivo para não se preocupar.”

Porto Alegre é a capital brasileira com maior taxa de suicídios

A liderança do Rio Grande do Sul no ranking de ocorrências de suicídios no País levou autoridades de saúde a se reunirem, ontem (30), em Porto Alegre, para definir o conteúdo de um manual de prevenção aos crimes contra a própria vida, ainda em fase de elaboração.

De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, somente em 2008, 1.158 suicídios foram registrados no Estado. Entres as Capitais brasileiras, Porto Alegre tem o mais alto índice. Proporcionalmente, cinco municípios do Interior tem os maiores níveis: Santa Rosa, Venâncio Aires, São Lourenço do Sul, Candelária e Santiago. As informações são do programa do jornalista Clovis Duarte, transmitido pela Tv Pampa, de Porto Alegre.

"Nestas cidades, a quantidade de casos destoa da média nacional e alcança patamares semelhentes aos de nações como o Japão, onde historicamente o número de suicídios é recorde", revelou o coordenador do Centro de Promoção da Vida do Estado, psiquiatra Ricardo Nogueira. Segundo ele, fatores econômicos, emocionais, familiares e genéticos podem explicar os motivos para o RS enfrentar o problema.

Ele salientou que "na lista dos municípios com as taxas mais altas, há certa predominância de pessoas com etnias germânicas ou italianas, a exemplo de Venâncio Aires, Candelária, e Santa Rosa, mas não há comprovações científicas de que isto seja determinante".

Outra coincidência que pode dar pistas aos especialistas é o fato de os índices mais elevados de suicídios estarem em cidades com intensa produção de tabaco, no Vale do Rio Pardo. "Temos informações de que inúmeras mortes deste tipo ocorreram em Arapiraca, no Estado de Alagoas, onde também há presença forte de fumicultores", relatou Nogueira. A suspeita é que o uso de agrotóxicos possa ter provocado sintomas de depressão em agricultores.

Apesar de liderar o ranking de suicídios entre as capitais de Estados brasileiros, Porto Alegre, proporcionalmente, tem índice de mortes do gênero menores em comparação com municípios do Interior. Contudo, nos quatro anos, aumentou expressivamente o número de casos entre jovens de 15 a 29 anos. A epidemia do crack e o consumo excessivo de álcool podem estar por trás da maioria dos óbitos.

Um manual de prevenção aos suicídios deve ser distribuido pelo governo estadual a partir de novembro. A meta é reduzir o número de mortes em pelo menos 20% nos próximos dois anos.

MIssão Ami(r)² - Associação MIssionária de Resgate para a Reconciliação